.

.

.

.

santa rosa

Supermercado da Economia

Image and video hosting by TinyPic

'Menino do Acre' desaparecido em março retorna após publicação de livro

|

Imagem relacionada
Desaparecido há cinco meses, o estudante de psicologia Bruno Borges, 24 anos, que ficou conhecido como “o menino do Acre”, retornou para casa na manhã desta sexta-feira (11). Segundo informações do portal G1, a informação foi confirmada pelo pai do jovem, o empresário Athos Borges, que acrescentou que o filho passa bem e a família está aliviada com a volta do jovem. Com a quantidade de pessoas curiosas, ele não deve ficar na casa onde morava com os pais e os irmãos, na capital acreana. “Nesse momento não vamos comentar muito. Ele já não vai ficar mais em casa, tem muita gente vindo aqui. Ele vai ficar em outro lugar, ele voltou sozinho. Isso é tudo que podemos falar”, afirmou o pai. 
Resultado de imagem para livros escritos por Bruno, um deles autenticado no dia do desaparecimento
Antes de desaparecer, Bruno deixou 14 livros escritos à mão e criptografados, sendo alguns copiados nas paredes, no teto e no chão do seu quarto – no local, também foi instalada uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600) que custou R$ 10 mil. Um dos amigos do estudante, Marcelo Ferreira, 22 anos, chegou a ser preso por falso testemunho em maio deste ano: foram encontrados na casa dele dois contratos que estabeleciam porcentagens do lucro sobre os livros escritos por Bruno, um deles autenticado no dia do desaparecimento. Ferreira relatou que ajudou Bruno a montar o quarto e sabia do projeto, mas afirmou que não tinha conhecimento do desaparecimento, nem do local onde o amigo poderia estar vivendo. As investigações apontam que os contratos, e-mails e mensagens trocadas entre os amigos solucionavam o caso. À época, o delegado Alcino Souza Junior, responsável pela investigação, disse que o sumiço do rapaz era parte de um plano para garantir a divulgação do trabalho. “A gente encerra neste segundo momento, que é a comprovação de que não foi um homicídio, pelo menos não está comprovado. Também não foi um sequestro, mas que se trata sim de uma vontade própria, onde existe um plano para divulgação das obras”, destacou o delegado.(B.N)

 

©2011 NOTÍCIAS DE UBATÃ ::: Conectado com Você !!! | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Ubatahosting